Cirurgia Plástica – Dr. William Machado

abr 24

Muitas pessoas me questionando sobre realização de procedimentos cirúrgicos, para perder peso não recorrí a nenhum procedimento, apenas atividade física e retorno à educação alimentar, mas aproveito para repassar o trabalho desse profissional que é sério e super competente. Vale a pena a leitura. 

 

                              Motivos para realizar (ou não) uma cirurgia plástica

 

Os procedimentos cirúrgicos estéticos são cada vez mais procurados por pacientes que, por um motivo ou outro, estão insatisfeitos com alguma parte do seu corpo. A exposição exagerada em mídias, imagens de culto ao corpo e padrões de beleza fazem com que nos questionemos com frequência sobre nossa aparência. Na verdade não existe um padrão de beleza correto. O importante é que cada um possa se sentir bem da maneira que lhe convém. Mas, quem nunca quis mudar algo em seu corpo? Mesmo pequenos detalhes podem fazer uma grande diferença para quem está com sua auto estima em baixa ao se olhar todo dia no espelho. Superado o desejo de mudança, surgem as dúvidas e o medo em realizar o procedimento cirúrgico.

Muitos dos medos relacionados à cirurgia plástica ocorrem devido aos casos de procedimento malsucedidos que são divulgados pela mídia com frequência. Por conta de uma carência na divulgação de informações mais esclarecedoras sobre cirurgia plástica e uma maior atenção da mídia na cobertura dos casos de erro ou complicações, criaram-se muitos mitos e tabus que resultam em um temor além do normal. O paciente que é um pouco inseguro muitas vezes vai buscar na internet a solução para suas dúvidas, lá ele se depara com informações sérias, mas também encontra questões contraditórias, o que acaba deixando-o ainda mais confuso.

O medo está relacionado ao desconhecido e isso se aplica a muitas coisas, inclusive à cirurgia plástica. Quando você não conhece algo, mesmo que aquele determinado fato envolva um risco pequeno, você terá mais medo ou receio. A partir do momento que o paciente conhece sobre a cirurgia plástica que pretende fazer e entende sobre os riscos que existem e o que eles representam, sana as dúvidas e desmente os mitos, a pessoa desenvolve mais segurança e confiança em sua decisão por fazer o procedimento.

É função do cirurgião plástico e de sua equipe médica explicar ao paciente o passo a passo de todo o procedimento antes, durante e depois, como um mapa do processo cirúrgico. É muito importante que a pessoa entenda como será desde o momento da sua chegada ao hospital, do papel do acompanhante, o decorrer do procedimento cirúrgico, como ela voltará da anestesia, a volta para a casa, o que ela vai sentir e como deve agir no período pós-operatório, os possíveis incômodos, o reestabelecimento dia a dia até a recuperação total. Por ser uma cirurgia eletiva, em que não há o caráter de urgência e que pode ser agendada para a data que for mais oportuna ao paciente e ao cirurgião, a cirurgia plástica é um tipo de procedimento ao qual é imperativa a minimização de riscos, pois eles são em parte mais “previsíveis”.

Como qualquer cirurgia, as estéticas também incluem riscos de complicações. Embora sejam procedimentos pouco invasivos, que mantêm intactos os órgãos internos, a plástica envolve incisões, anestesia e manipulação de tecidos, como a pele. Há uma série de fatores que precisam ser seguidos para afastar e diminuir os riscos: um cirurgião plástico experiente, equipe médica completa e com experiência, que trabalhe junto há muito tempo e tenha como rotineiro o procedimento que o paciente pretende fazer, a cirurgia ser realizada num local seguro, o paciente estar em boas condições de saúde para se submeter ao procedimento e outros. O cirurgião plástico trabalha com o objetivo maior de poupar seu paciente das complicações durante e após a cirurgia, se certificando de que todos os itens de segurança sejam seguidos à risca.

A American Society of Aesthetic and Plastic Surgeons publicou uma matéria em que aborda cinco razões comuns que geram insegurança em pessoas que desejam se submeter a uma cirurgia plástica. Veja:

1. O monstro embaixo da cama

Roosevelt certa vez disse: “A única coisa que devemos temer é o próprio medo”. Notícias sobre procedimentos mal sucedidos veiculados pela mídia podem provocar medo em quem deseja realizar uma cirurgia plástica. Mas, na mesma proporção em que o número de notícias negativas sobre o assunto aumentou, as fontes de informação com credibilidade também. Apesar de o cirurgião plástico qualificado ser a fonte mais segura, é possível encontrar diversos lugares com conteúdo de qualidade, capaz de informar devidamente as pessoas sobre os riscos e benefícios dos tratamentos.

2. Batendo onde dói mais

Outro ponto sensível na hora de optar por uma cirurgia plástica está na sua bolsa ou carteira: o preço. Procedimentos não são baratos (e se forem, desconfiem), mas estão cada vez mais acessíveis financeiramente.

3. Parecer que passou pela operação

Os melhores cirurgiões plásticos da atualidade são conhecidos por seu senso estético e habilidade para oferecer resultados realistas para seus pacientes. Apesar do medo de ter uma aparência que não fique natural após o procedimento, o objetivo de cirurgiões plásticos qualificados é oferecer os melhores resultados possíveis – discutir estas possibilidades com o responsável pelo procedimento e ter expectativas realistas ajuda a vencer o receio. Lembre-se: a cirurgia plástica deve potencializar sua beleza natural, não transformá-lo em outra pessoa.

4. Tempo curto

O cotidiano de trabalho e a rotina familiar das pessoas são apertados, por isso o tempo de recuperação após uma cirurgia plástica pode gerar insegurança nas pessoas. Durante as consultas com o cirurgião plástico, este assunto deverá ser abordado. Com o avanço da medicina, muitos procedimentos exigem um tempo de recuperação menor e, algumas vezes, pode ser possível retomar algumas atividades antes do esperado. Se a cirurgia plástica for bem planejada é possível se preparar com antecedência para o tempo de recuperação. Lembre-se: apenas um profissional qualificado e de confiança poderá orientá-lo nesta situação!

5. Quem é o chefe?

As opiniões de pessoas próximas podem ser determinantes para afastar candidatos de uma cirurgia plástica de seu desejo. A pergunta é: isso deveria impedir a realização do procedimento? Já que ter o apoio de pais, maridos, esposas, filhos e outras pessoas queridas, é importante, então por que não incluí-los no processo? Leve eles com você a consultas, por exemplo. Isso dará a oportunidade para que estas pessoas façam perguntas ao médico, compreendam os resultados esperados e pode fazê-las mudar de opinião.

 

Se a pessoa consultou um bom profissional, o médico esclareceu todos os detalhes sobre a cirurgia, todos os passos e o paciente ainda assim continua com medo, demonstrando insegurança, é recomendado que ele não passe pela cirurgia. Em muitos casos o incômodo que motivou a pessoa a procurar por uma cirurgia plástica não é suficiente para suplantar o medo que ela cultivou sobre o procedimento. Normalmente, quando o paciente se sente completamente informado, avalia de forma clara os riscos reais, tem um bom relacionamento com seu médico, profissional no qual ele confia, o medo é superado pelas informações e a vontade de fazer a cirurgia plástica prevalece.

 

William Machado - williamcirurgiaplastica.com - Instagram-Facebook: /williamcirurgiaplasticawilliam machado

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


sete + 1 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>